Um pouco das lendas e das histórias do automobilismo dos anos sessenta
 

Lendas e Histórias / DKW Vinhaes – O “xis” da questão / Paixão não se explica, se vive / Pneu voador / Bambino! / O caso Casini /

Lapsos de memória / E surge um piloto / Fangio e a propaganda / Landi/Bianco/JK / Carcará II / Senador / Caçador de Estrelas /


O caso Casini
  Casini dando uma escapada na Barra da Tijuca   

Essa eu ouvi nas arquibancadas de Interlagos, não sei o quanto de verdade ou lenda tem aí.  Como diz-se que quando a lenda supera a realidade, imprima-se a lenda, então vamos lá:
O "velho" Henrique Casini, piloto carioca que vinha sempre à São Paulo disputar corridas na categoria Esporte e tinha uma Ferrari,
era um eterno rival de Celso Lara Barberis um dos maiores "feras"

da época que também tinha uma Ferrari 250.
Dizia-se que Casini geralmente só conseguia ganhar de Celso quando este tinha problemas ou quebrava.
Então, quando Juan Manoel Fangio veio disputar o
GP Cidade de São Paulo em 1957 trazendo uma Maserati 300S - 2.990cc. e venceu, com Casini em segundo. Celso quebrou e não completou a prova, Casini fez uma oferta e conseguiu comprar o carro de Fangio, pensando que assim não teria mais dificuldades em vencer seu rival, não dependeria mais de problemas do adversário.
Mas não foi o que ocorreu, Celso voltou a vencer mesmo estando Casini com a Maserati 300S, o que deve ter acontecido no I G.P. do Cinqüentenário da Imigração Japonesa em 22 de junho de 1958.

E porque? Diziam, na época, que Celso assim que ficou sabendo da compra pediu à fábrica Ferrari na Itália um novo carro, uma Ferrari 250TR - 2.953cc., igual ao seu, mas zero quilômetro.
E aí, que acha? Realidade ou lenda?
Lenda? Afinal a importação era difícil e demorada naqueles tempos.
Sim! Mas pelo ACB não era tão difícil trazer carros de corrida para correrem no Brasil.
Então pode ser realidade?
Sim! O órgão responsável pelo automobilismo, o Automóvel Clube do Brasil, por ser um órgão esportivo, tinha facilidades para importar carros e peças exclusivas para corrida. Isso até o início dos anos 60 quando as importações, em geral, ficaram mais difíceis e pouco mais tarde, proibidas.
Nos anos 50, a preferência dos cariocas era pela categoria esporte, paulistas pela mecânica nacional e gaúchos pelas carreteras, não que não se corresse em todas as categorias em todos os estados, mas havia essa predileção. O que é inclusive explicitado num artigo de uma revista da época, a "Carros à Vista" nº 23 de dez/58. "...visto que os carros esporte são muito mais caros e a capacidade econômica dos bandeirantes é muito superior à dos cariocas e petropolitanos. Entretanto ocorre exatamente o contrário...".

Falar sobre o automobilismo mais antigo, envolve paixão, e é por vezes um pouco difícil, seja pela precariedade das notícias, a falta de testemunhos, e é necessário cruzar todas as informações disponíveis para poder ter uma idéia confiável do fato em questão, o que nem sempre se consegue.

Veja aqui o resultado da prova GP Cidade de São Paulo, realizado em 1 de dezembro de 1957.
http://www.jmfangio.org/gp1957sanpablo.htm

 

VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA
ou
VOLTAR À PÁGINA INICIAL