Um pouco das lendas e das histórias do automobilismo dos anos sessenta
 

Lendas e Histórias / DKW Vinhaes – O “xis” da questão / Paixão não se explica, se vive / Pneu voador / Bambino! / O caso Casini /

Lapsos de memória / E surge um piloto / Fangio e a propaganda / Landi/Bianco/JK / Carcará II / Senador / Caçador de Estrelas /

Simca "Norma Bengell" / A pole do Jair / Piano ao mar / Leão de chácara /

 
Simca "Norma Bengell"

A existência desse carro é cercada de mistério, mas existir, ele existiu.
O Simca Spyder, também chamado de “Ventania” ganhou o apelido de “Simca Norma Bengell”  depois que foi usado por essa atriz no episódio “A Grã-Fina de Copacabana” do filme “As Cariocas” em 1966 (veja cena do filme abaixo) e ela também fez a apresentação dele no autódromo de Jacarepaguá (RJ), há uma história de que foi num dia que a equipe Jolly-Gancia estava treinando e que a mulher ao lado da atriz é Lulla Gancia, a confirmar.
Tentando levantar sua história localizei reportagens na revista “4 Rodas” e no jornal “O Estado” que o dão como construído no Departamento de Competição da Simca do Brasil, e também de que Anísio Campos desenharia o modelo definitivo.

Um dos primeiros esboços de Anisio Campos

Também há a informação que o protótipo andou na pista de Interlagos pela primeira vez na segunda quinzena de fevereiro de 1966 nas mãos de: Ciro Caires, Jaime Silva e Toco Martins.
Fui então procurar o ex-piloto Toco Martins e qual não foi minha surpresa quando ele me disse:
- Nunca sentei a bunda nesse carro, e outra, esse carro nunca esteve no Departamento de Competições, não sei quem o construiu”.
Dias depois procurei o também ex-piloto Jaime Silva e ouvi dele:
- Eu era chefe de mecânica do Departamento de Competições e, posso afirmar, esse carro não foi construído lá e nem nunca esteve lá. E mais, nunca pilotei esse carro”.
Ambos disseram que o publicado não era verdade, nenhum deles conhecia ou teria pilotado o carro.
Foi Toco quem arriscou um palpite:
“-
O Eng. Pasteur as vezes exagerava um pouco, talvez ele tenha passado essas informações à revista e ao jornal para valorizar a Simca”.
Após o teste, segundo a revista, o carro parou com junta de cabeçote queimada, mas segundo o jornal o carro parou por uma falha na suspensão. Informações desencontradas sobre o mesmo teste.
Mas quem construiu o carro?
O Departamento de Competições não foi, Anísio Campos ao ser consultado disse não se lembrar do carro, mas a reportagem do jornal dá uma dica, num trecho diz: “
Para fazer o novo automóvel, com a carroceria de Adão Brito Daher, os homens da Simca encurtaram... para poderem casá-lo perfeitamente à carroceria”.
Já na revista tem: “
...para andar recebeu uma carroceria de fiberglas arranjada às pressas no Departamento de Competições”.
Ou seja, tudo indica que foi feito improvisadamente e às pressas, antes da Chrysler tomar conta.
O fato é que o carro existiu, e tem uma fala de Chico Landi na revista: “
- Essa carroceria que está aí é só para fazer a plataforma andar. Vai mudar tudo. Estamos interessados, por enquanto, apenas em testar a plataforma, suspensão, comportamento do motor, cambio, etc”.
A plataforma usada no “pré-protótipo” (termo que Chico usava) era a do Simca Chambord encurtada de 2,69m para entre eixos de 2,20m (na revista) ou 2,23m (no jornal), suspensão dianteira tipo McPherson (a mesma dos carros Simca), mas rebaixada, suspensão traseira (a mesma também) foi modificado a inclinação dos amortecedores, no spyder era quase na vertical.
O motor era o Simca V8 do modelo Tufão, preparado, com 2505cc e potencia aproximada de 115 HP; caixa de cambio, provisória, de 3 velocidades, mas com a possibilidade de ser usado um desmultiplicador (pesado) ou uma caixa de 4 velocidades, alavanca de cambio no chão, ao contrário dos carros de série onde eram na coluna de direção.
Os freios eram hidráulicos a tambor nas 4 rodas (jornal) ou a disco na dianteira e a tambor nas traseiras (revista). As rodas, copiadas do Abarth, foram fabricadas pela “Rodabras” em chapa.

O painel de instrumentos do protótipo foi aproveitado dos carros de série, nada adequado a um modelo esportivo, para melhorar foi usado um volante esportivo e acrescentado um conta-giros na coluna de direção.
A principal preocupação era aproveitar ao máximo as peças nacionais, de linha, como dizia Chico Landi à revista:
- A Simca quer fazer um carro nacional, mesmo, com toda a mecânica aqui... agora vamos fazer uma berlineta nacional. Para vender a quem quiser. E ganhar competições”.
Havia, claro, a intenção de participar de corridas e de expor o carro no “V Salão do Automóvel”, realizado em novembro no Salão de Exposições no Ibirapuera. O plano era, segundo a revista, fazer 5 exemplares para o Departamento de Competições e em seguida fabricar em pequena série para venda ao publico.
Mas nada disso aconteceu, a Chrysler International já era dona da Simca na França, e em 66 comprou também a Simca do Brasil, mantendo o nome Simca e a diretoria, mas já com novas diretrizes, o que incluía o desinteresse em competições, então o projeto foi abandonado e pouco depois o próprio Departamento de Competições foi desativado.
O ano de 66 foi de transição, ainda se usava a marca Simca, foi lançado o modelo Esplanada de desenho com influencia americana, diferente da linha anterior, e em 67 a diretoria foi destituída e substituída por executivos da Chrysler e a marca Simca deixou de existir.

1967 em Interlagos

O spyder ficou abandonado na fábrica até ser comprado em meados de 67 pelo piloto Roberto “Argentino” Gomez que finalmente o estreou em corridas participando da “II 100 Milhas de Interlagos” em 1 de outubro de 1967, chegando em 11º na geral e em 6º na categoria Protótipo Força Livre.
Ele comentou comigo que chovia naquele dia e parece que quem construiu o protótipo se esqueceu de fazer drenos no assoalho (afinal o carro era conversível) e a cada parada de reabastecimento tinham que tirar a água acumulada.
Com o fechamento de Interlagos em 1968 para reformas ele optou por vender o carro, e é ai que se perde a pista de seu paradeiro, pois Roberto não se lembra do nome do comprador, só se recorda que ele era do Paraná.
Há um trabalho de Pós-Graduação em História de autoria de Ramon de Lima Brandão na Universidade Federal de Juiz de Fora: "O Automóvel no Brasil entre 1955 e 1961: A invenção de novos imaginários na era JK" de onde tirei esse texto: "...
o engenheiro Jean Jaccques Pasteur, presidente da Simca do Brasil, sabia que sua posição na empresa era instável; assim, como forma de criar alguma coisa nova apresentou em julho de 1966 um protótipo de carro esportivo de dois lugares com carroceria em fibra de vidro e mecânica do Simca Emisul, denominado “Ventania”. A apresentação ocorreu no Autódromo Internacional do Rio de Janeiro com ampla cobertura da imprensa e a presença da atriz Norma Bengell. Inclusive, o carro seria utilizado no filme “As Cariocas”, realizado naquele ano. A idéia de Pasteur era produzir o esportivo “Ventania” em Minas Gerais, revivendo assim o projeto da fábrica de Santa Luzia. Alguns acionistas remanescentes do grupo mineiro inicial apoiariam a idéia e os projetistas do carro chegaram a ocupar um pequeno escritório no local onde se planejava sua produção".
Se quiser ver o texto inteiro clique aqui.
 
Foto do teste
Reprodução jornal "O Estado"
Foto do teste
Reprodução revista "4 Rodas"
Fotos da apresentação em Jacarepaguá
Reprodução jornal O Globo - Suplemento de automóveis

VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA
ou
VOLTAR À PÁGINA INICIAL