Um pouco das lendas e das histórias do automobilismo dos anos sessenta
 

Lendas e Histórias: DKW Vinhaes – O “xis” da questão / Paixão não se explica, se vive / Pneu voador / Bambino! / O caso Casini /

Lapsos de memória / E surge um piloto / Fangio e a propaganda / Landi/Bianco/JK / Carcará II / Senador / Caçador de Estrelas /

Simca "Norma Bengell" / Pole do Jair / Piano ao mar / Leão de chácara /


Piano ao mar

Tem histórias que mais parecem lendas, é o caso desta, não fosse o fato dela me ter sido contada por duas pessoas que nem sequer se conheciam, mesmo assim fiquei em duvida, até recentemente quando encontrei uma terceira pessoa à quem contei a história e ele me disse:
“- É verdade sim, meu irmão estava lá.”
Então vamos à ela.
Entre 1955 e 1960 várias brasileiros foram à Argentina para disputar o “1000 Quilômetros Ciudad de Buenos Aires” que fazia parte do "World Sports Car Championship". Como Celso Lara Barberis foi um dos protagonistas da história, vale notar que ele participou nos anos de 56/57/58 e 60.
Em 56 fez dupla com Godofredo Vianna Filho, desistiram por quebra do motor, em 57 fez dupla com Eugênio Martins, quebra do motor, em 58 fez dupla com Eugênio Martins, quebra de motor e em 60 fez dupla com Christian Heins, 4º na geral e 3º na categoria. Celso, além de esportista também era pianista, gostava muito de musica, como descendente de italianos que era.
Numa viagem de volta de Buenos Aires no navio ele tocava piano para o grupo de brasileiros, quando já de madrugada, sem ninguém mais além deles no salão, alguém, provavelmente já de “caco cheio”, deu a ideia de jogarem o piano ao mar, após muitas gargalhadas e piadas, passaram a ação, e após verificarem que não seriam vistos, jogaram realmente o piano ao mar e depois de muita risada foram dormir.
No dia seguinte, como estavam sempre ao redor do piano foram os primeiros a reclamar da falta do piano, mas ai a viagem já estava terminando, iam aportar em Santos.
Hoje, contando, até pode parecer engraçado, mas com o “politicamente correto” isso é muito condenável. De qualquer forma não consegui confirmar a veracidade, pois a única pessoa que supostamente estava lá se recusa a tocar no assunto, diz que em respeito aos mortos, sim, todos já morreram. Mas também não consegui desmentir... Essa pessoa que encontrei recentemente não estava lá, era o irmão que estava.
Pelas minhas deduções, se aconteceu, foi em 1957 ou 1958, mas em 58 o grupo de brasileiros participante foi pequeno, acredito mais em 57, mas é só suposição, nesse ano o grupo de brasileiro era bastante grande. Sempre iam, além dos pilotos, mecânicos e preparadores, alguns amigos também talvez.
 

VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA
ou
VOLTAR À PÁGINA INICIAL